Grendene foca na produção de calçados com menor impacto ambiental

Case Rider com uso de biomateriais e maior concentração de conteúdo reciclado mereceu prêmio nacional de sustentabilidade

A Grendene desenvolveu um programa que reuniu toda a cadeia de fornecedores para ofertar matérias-primas dentro de um modelo mais responsável e alinhado às práticas ESG da companhia

Em 2021, 40 novas pesquisas de materiais com menor impacto (que são aqueles que possuem menor pegada ambiental se comparados às suas versões tradicionais) foram iniciadas pela Grendene, das quais 11 itens foram aprovados para uso. Conforme o relatório de sustentabilidade da companhia com reporte das informações de 2021, 22% dos materiais utilizados na produção durante o período foram de origem renovável. Todos os calçados da Grendene contam com 30% de conteúdo reciclado pré-consumo, em média, característica que contribui para uma baixa emissão de carbono na produção.

No radar da empresa está a substituição crescente de materiais de origem fóssil por alternativas de origem renovável, e atualmente 100% dos produtos das marcas do universo Grendene (Melissa, Rider, Cartago, Grendene Kids, Grendha, Zaxy, Ipanema, Nuar e Pega Forte) são veganos, registrados pela Vegan Society, organização vegana mais antiga do mundo, estabelecida no Reino Unido. A redução dos impactos ambientais foi reconhecida pela Amcham Brasil que concedeu à Grendene, em julho, o Prêmio ECO® deste ano na categoria Práticas de Sustentabilidade, Categoria Produtos e Serviços para Grandes empresas, para o case “A Recriação de Futuros da Rider”, pela campanha dos 35 anos da marca Rider.

O Programa R4, como foi nomeado, marca o início do posicionamento de sustentabilidade da marca Rider e o pioneirismo no uso de materiais de menor impacto na Grendene, como o EVA biobased, de cana-de-açúcar, e os têxteis produzidos com garrafas PET recicladas pós-consumo, como tecidos e fitas. Com os resultados do estudo de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) conduzido por terceira parte, foi possível calcular quanto todos os produtos com atributos de menor impacto da marca Rider vendidos entre 2019 e 2021 evitaram de emissões de CO2eq (unidade de medida internacional que traduz os demais gases do efeito estufa em termos equivalentes ao CO2). O resultado foi de cerca de 16,7 toneladas. A integração com a comunidade através da seleção de protagonistas nordestinos para a campanha de comunicação, a interação com a fábrica em Sobral (CE) e as colaborações com projetos sociais atravessam o case em diversos momentos e merecem destaque pela contribuição à sociedade.

“O futuro da Grendene é ter um calçado vegano com a maior quantidade possível de biomateriais”, ressalta Carlos André Carvalho, gerente da divisão de desenvolvimento sustentável, acrescentando também o uso de outros materiais, como casca de arroz e casca de coco, resíduos agroindustriais que substituem material de origem fóssil na composição. “Tanto nos materiais biobased como nos reciclados pré e pós consumo reduzimos a emissão de carbono”, diz.

A Grendene desenvolveu um programa que reuniu toda a cadeia de fornecedores para ofertar matérias-primas dentro de um modelo mais responsável e alinhado às práticas ESG da companhia. “Atualmente, 100% deles estão perfeitamente em sintonia com os nossos propósitos”, destaca. “Eles passaram por três etapas: a sensibilização, o que ele precisa fazer, e o acompanhamento do plano de execução. Todos precisaram atender aos requisitos exigidos na lista de materiais restritos, que segue as principais listas globais de substâncias restritas”, completa Carlos André.

Quer saber mais sobre sustentabilidade?
Receba diariamente a newsletter do Grupo AMANHÃ. Faça seu cadastro aqui e, ainda, acesse o acervo de publicações do Grupo AMANHÃ.

Case Rider com uso de biomateriais e maior concentração de conteúdo reciclado mereceu prêmio nacional de sustentabilidadeRio Grande do Sul

Autor